terça-feira, 26 de julho de 2011

Edgar Allan Poe: Esse escritor louco e suas peripécias malucas


Noooooosssssaaa (que nem aquele cara do Pânico)! Como fazia tempo que eu não escrevia nada! É o business, galera. Como vocês vão?
Como sou um grande fã do horror em geral, tava afim faz tempo de escrever alguma coisa sobre o Edgar. Aliás, essa ilustração aí acima fui eu que fiz. É, tá meia boca, mas fiquei com preguiça de trabalhar mais nela.

Um Breve Histórico

Edgar Allan Poe nasceu em Boston em janeiro de 1809, e é uma das maiores personalidades da literatura de horror de todos os tempos, tendo influenciado uma grande gama de escritores importantes, como Charles Baudelaire, H.P. Lovecraft, Clive Barker, Stephen King e Geyse Arruda.
Nascido em Boston (cidade de nome perigoso) lá por 1809, Allan Poe foi adotado pelo casal de ricaços John Allan e Frances Keeling Allan, pois sua mãe falecera pouco depois do nascimento de sua irmã mais nova e seu pai deu no pé. Tendo dado a sorte de ter sido adotado por gente rica (droga!), o rapaz frequentou as melhores escolas e universidades, mas vivia sendo expulso pelo seu comportamento boêmio.
Além dessa vida leite-com-pêra e de vagabundo, Eddy era chegado num mé e em apostas, algo que deixou seu pai adotivo meio puto e fez com que o coroa o alistasse nas forças armadas. Pega leso! Mas você acha que ele iria durar muito no exército?? Há! Claro que não! Edgar foi dispensado por mau comportamento apenas dois anos depois (Ok, até que durou muito. Meu irmão que serviu disse que os orelhas tinham que passar uma semana dentro do mato e levar uns coelhinhos para matarem quando estivessem com fome! Eu não duraria três horas...).
Após o falecimento de sua mamãe, Poe cortou relações com o velho e tentou viver totalmente por conta própria... Mas acabou mergulhando na miséria (É aí que mora o meu meeeedo!).
Nesta fase da vida, o escritor – já em atividade, mas com menos leitores do que eu – ainda teve que passar pela morte do irmão. Daí teve a idéia genial de ir morar com uma tia pobre, o que lhe rendeu mais um bom tempo na merda. Desgraça pouca...

Tudo muito ruim, tudo muito péssimo, até que Poe venceu dois concursos de literatura e por conta disso lhe foi entregue a direção do jornal Sothern Literary Messenger, na cidade de Richmond. Nesse período, Poe casou às escondidas com uma prima sua. INCESTUOSO! E ela tinha... 13 anos! PEDÓFILO!!
Aliás, falando em incesto, o filósofo Ronald Rios deu a tese definitiva sobre o assunto neste vídeo:


Mas voltando... No ano de 1833, ainda na flor da idade e tendo já largado o jornal, Poe lança a revista Uma aventura sem paralelo de um certo Hans Pfaal, que lhe dá uma certa reputação e já lhe rende alguns fanboys. Mas como nem tudo são flores (mesmo!) na vida do moço, sua espozinha vem a falecer de tuberculose.
Foi em 1845 que Poe lançou seu mais célebre poema, O Corvo. Se hoje ele é aclamado e traduzido por inúmeras línguas, na época a aceitação não foi às mil maravilhas. O poema foi fracasso de público e crítica, que o considerou sombrio demais.
Poe manda todo mundo se foder e cai de vez nas graças do álcool.

Bebedeira vai, bebedeira vem, até que certo dia Poe é encontrado nas ruas de Baltimore, totalmente chapado, com roupas de outrem e chamando por um tal de Reynolds. Isso te soou misterioso? Pra mim soou homossexual pra cacete, mas isso não vem ao caso.
Quatro dias depois disso, Poe falece no hospital, no dia 7 de Outubro de 1849. Nunca se estabeleceu certamente qual foi a causa de sua morte, mas algumas conjecturas dão conta de que ele foi envenenado, outras de alto nível de alcoolismo, outras do uso de ópio e outras de que tenha  acordado do lado da Dercy Gonçalves (que devia ter uns 67 anos na época) e que não tenha usado preservativo.

Em sua curta vida, Allan Poe criou uma obra riquíssima, contando com inúmeros contos, poemas, e um livro (Os Relatos de Arthur Gordon Pym). A mais prolífica e famosa parte de sua obra são os contos, os quais alguns abordam temas como romance, policiais e até mesmo a comédia. Mas a maioria e de maior destaque sem dúvida são os de horror e suspense. Poe abusava de um terror psicológico, angustiante e gótico. Os personagens de suas histórias eram sempre perturbados, sofridos, cheios de fobia. Muito disso representava a mente atormentada do próprio autor, que muitas vezes se refletia em seus personagens e em suas histórias.
Como dito antes, sua obra influenciou muita gente, inclusive tem-se em Allan o criador dos contos policiais modernos, principalmente pelos contos Assassinatos na Rua Morgue e A Carta Roubada, que lembram muito o que se veria posteriormente em Agatha Christie, Arthur Conan Doyle e muitos outros.

Alguns contos deveras supimpas

Se você não conhece a obra de Poe ainda, ou conhece mas por ventura não tudo (o que não é fácil), indico abaixo alguns contos que achei meio do caralho.

Assassinatos na Rua Morgue

Quando duas mulheres são brutalmente assassinadas na rua Morgue, em Paris, o soturno detetive C. August Dupin e seu amigo narrador assumem o caso, e conforme as pistas vão aparecendo, ambos percebem que as mortes não foram causadas por mãos humanas.
O personagem Dupin é considerado o precursor de Sherlock Holmes (Conan Doyle) e Hercule Poirot (Agatha Christie), pelo seu fantástico método de dedução e investigação.

O caixão quadrangular

Durante uma viagem para Nova York, homem se depara com um grande mistério envolvendo seu amigo que também está a bordo, o jovem artista Cornélio Wyatt. Wyatt está visivelmente com a alma atormentada, e tem um apego enorme à um caixão em formato quadrangular que carrega consigo durante a viagem.
Considero este um dos melhores contos do escritor. É uma trama genial, no maior estilo Hitchcock ou Agatha Christie. Mais um profundo mergulho na alma humana feito por Poe.

Sombra

Parábola genial, que nos conta uma história ocorrida em 794 antes de Cristo, narrada postumamente pelo grego Oinos. O antigo nos conta uma ocorrencia em uma noite onde ele e seus amigos estavam fazendo uma pequena festa em seu abrigo, que os protegia da peste, que na época estava transformando o planeta em um reino de terror. Oinos e seus amigos bebiam e riam – ainda que interiormente apavorados – dentro de seu aparente conforto, até que recebem uma inesperada e aterrorizante visita.

Os fatos que envolveram o caso do Senhor Valdemar

Esse é um daqueles contos que fiquei com o maxilar em 90 graus em relação ao resto da cabeça quando cheguei ao final. Conto mórbido e nauseante, narra a história de um médico que tenta a hipnose em um moribundo, com o intuito de ver por quanto tempo consegue adiar a morte. Mal esperava ele o terror que se sucederia quando a hipnose perdesse seu efeito...

O Rei Peste

Conta a história de dois marinheiros que, ao ancorarem em Londres para uma noite de bebedeiras, entram em um território proibído pelo Rei por ter sido assolado pela peste. Dentro do tenebroso lugar, os dois aventureiros bêbados tem que lidar com a população do território amaldiçoado e seus habitantes que, apesar de deformados pela peste, são dotados de uma grande organização hierarquia.
Um conto muito divertido de Poe que deveria virar filme!


No cinema

Há uma grande variedade de obras cinematográficas baseadas ou inspiradas em contos de Allan Poe. Há inclusive quem use o nome do escritor apenas como jogada de marketing, como foi o caso de Edgar G. Ulmer, diretor do filme O Gato Preto, de 1934 (que, apesar de ser um dos clássicos da Universal, considero meia-boca), que após ter enchido o cu de dinheiro com a película, admitiu que só usou o nome de Allan Poe nos pôsteres e nos créditos do filme para atrair o público, pois nem sequer referência ao conto de mesmo nome tinha alí. BASTARDO!!
Porém, algumas obras cinematográficas merecem destaque (não vou citar tudo, claro), como...

Muralhas do Pavor

Marilyn Manson quando acorda sem maquiagem


O nome do diretor Roger Corman é sempre associado ao de Allan Poe. Corman deve ter lido alguns contos do cara e pensou “Cacildis! Isso deve dar algum dinheiro.” A partir de então filmou diversas adaptações da obra de Poe, muitas delas não exatamente fiéis, mas sempre legais. Muralhas do pavor é uma delas. É um daqueles filmes que une algumas histórias separadas em sequência, como o filme A Casa que Pingava Sangue, mas todos baseados na obra de Allan, mas especificamente nos contos Morella, O Gato Preto, O barril de Amontilato e O Estranho caso do Sr. Valdemar, com destaque para este último. O filme conta com a participação de Vincent Price e Peter Lorre, duas figurinha carimbadas nos filmes de Corman.

Os Crimes da Rua Morgue


O primeiro filme da Universal baseado em Poe. Em Os Crimes da Rua Morgue, Lugosi interpreta o Dr. Mirakle, que faz bocejantes apresentações com seu babuíno Erik (que claramente não é um babuíno, e sim um chimpanzé) e tenta provar sua teoria do parentesco do homem com o macado. Falou, Darwin! Enquanto isso, jovens andam sendo asssassinadas na cidade, e cabe ao estudante Pierre Dupin investigar o caso, que tem grandes chances de estar relacionado ao Dr. Mirakle. Esse filme é meio tomado no Jiraya, fazendo uma bagunça no conto original e inventando um monte de marmotas, embora acabe sendo um filme divertido e despretencioso no final. E Lugosi está bizarro aqui, embora dizer isso seja uma redundância do cacete.

O Corvo


Se Os crimes da Rua Morgue é meio tomado no Jiraya, esse aqui é completamente chapado na pantera! O filme mais cômico de Corman baseado na obra do mestre. O Corvo é levemente inspirado no famoso poema de mesmo nome, e conta a história de três feiticeiros – Vincent Price, Peter Lorre e Boris Karloff – em uma épica (há) batalha de egos. Como se esse elenco de peso já não fosse o suficiente, o filme ainda tem Jack Nicholson em começo de carreira. Não! Não tem o Brandon Lee!
Um amigo meu assistiu esse filme e odiou. Ele me disse para assistir só para comprovar que era uma merda. Eu o fiz e adorei! Ele passou a me odiar por isso e até hoje não nos falamos. É, a gente leva cinema à sério.

Histórias Extraordinárias

Golias deve estar sentindo muita dor agora

Esse aqui muita gente não vai com a cara, mas eu até que me amarro. Na linha de Muralhas do Pavor, Histórias extraordinárias conta três ‘causos’ baseados em Poe: Metzengerstein, dirigido por Roger Vadim, Willian Wilson, por Louis Malle, e Toby Dammit, por Frederico Fellini. Embora os dois primeiros contem com a presensa das belas Jane Fonda (fazendo par ‘romantico’ com Peter Fonda, seu irmão na vida real!) e Brigitte Bardot (que continua... linda), Toby Dammit, adaptação livre do conto Nunca aposte sua cabeça com o diabo, é o melhor dos três, apesar de conter no máximo referências ao texto original, pois é um filme bem inspirado, fotografado e alucinante. E Terency Stampy está excelente como Dammit.

A Queda da Casa Usher


Esse foi o primeiro filme de Cormar baseado em Poe, mas precisamente no conto de mesmo nome. E foi um sucesso. Embora haja um famoso (ok,ok. Nem tanto) filme francês de 1928 baseado no mesmo conto, este aqui é seu melhor representante. Conta a história dos irmãos Rederick (Price de novo) e Madeline (a bela Myrna Fahey, que tem nome de caipira) Usher, que tem um histórico de loucura na família que deixaria os Suplicy com invejinha. Quando os solitários irmãos recebem a visita de Philip, noivo de Myyyrrrrna, revelações monstruosas sobre aquela família começam a aparecer.
É um dos filmes que mais se aproximam em matéria de fidelidade à obra do escritor, embora contenha algumas diferenças triviais (digamos).

A Máscara Mortal

“Se der merda, não conte a ninguém que fui eu quem falsificou esta carteira pra você, ok?”


Esse é considerado pela maioria dos cinéfilos e fãs de Poe como a melhor adaptação de um de seus contos para o cinema. Quando Roger Corman já estava tornando os filmes baseados no escritor cada vez mais cômicos e autorais (vide O Corvo) nos Estado Unidos, ele decidiu ir para a Inglaterra dirigir esta fantástica obra do horror no cinema. O filme tem como protagonista principe Prospero, interpretado por Vincent Price (de novo esse cara! Porra!! Paaaapo!), que além de ser satanista, é miserento que só a porra. Em uma época medieval onde a peste já dizimou grande parte da população mundial, Prospero resolve dar um grande baile de fantasias em seu castelo. Baile este que tem grandes chances de terminar em merda.
O filme ainda une outro conto de Poe, o Hop-Frog e os oito orangotangos acorrentados. É uma pelicula muito bem dirigida, com uma fotografia excelente que capta muito bem sua aura gótica.

The Raven


Estréia ano que vem o filme O Corvo, com John Cusack interpretando o escritor em seus ultimos e misteriosos dias de vida. É uma obra ficcional e não biográfica, que mostra Poe investigando um assassino que comete crimes baseado em seus contos. Em fase de produção, o filme foi roteirizado por Hannah Shakespeare e está sendo dirigido por James McTeigue. Embora não sejam nomes de peso, as espectativas são altas e sinto que vou me borrar nas calças no dia em que estiver disponível na net... digo, no dia da estréia.

Midnight Mysteries: The Edgar Allan Poe Conspiracy


Só pra finalizar e demonstrar ainda um pouco mais a expansividade da influência de Poe, gostaria de falar rapidamente de um jogo muito legal para PC. Trata-se de Midnight Mysteries: The Edgar Allan Poe Conspiracy, puzzle cujo objetivo do jogador é investigar e desvendar a morte de Allan Poe em no máximo 24 horas. E eu ia fazer uma piadinha com o Jack Bauer agora, mas seria manjado demais.
É um game bem bacana, com riqueza de detalhes visuais, inúmeras referências à seus contos e que força o jogador a racocinar e usar a imaginação. Usei-o, inclusive, como referência na minha monografia ano passado, mas essa é outra e dolorosa história.

Bom galeura, é isso. Espero que tenham gostado. Prometo não demorar tanto para postar novamente, embora eu não tenha o habito de cumprir promesas e ninguém se importe mais com atualizações neste mundo moderno e globalizado em que vivemos.

Abssss

13 comentários:

  1. Gostei muito do seu blog, parabéns pelos post. Passa no meu?

    www.blogtatudodominado.com

    ResponderExcluir
  2. Ok, cara. valew pelo elogio. Vou dar uma olhada no seu blog sim! Absss

    ResponderExcluir
  3. Ótimo post! Eu já adorava o pouco de Edgar Allan Poe que eu conhecia, e agora quero conhecer mais! *-*

    Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Eu li algumas coisas do Poe na minha época de Ensino Médio. Infelizmente, na biblioteca da Faculdade em que eu estudava não havia nada dele (tou saindo de lá, pois o ensino lá é muito fraco), então faz um bom tempo que não leio nada relacionado.

    Acho que na Faculdade para a qual eu pretendo passar esse ano tenha algum livro com contos dele.

    Como aqui perto não existe nenhuma locadora funcionando acho que vou ter que recorrer ao mundo encantado da internet para poder conferir alguns desses filmes.

    ResponderExcluir
  5. Rapaz, gostei bastante do resumo que você fez da vida do Sr. Poe, dei umas boas risadas (tava precisando). Parabéns. Pra ficar completa, faltou citar algumas excelentes HQs baseadas em seus contos.
    Falando em HQ, estou trabalhando numa biografia do Edgar em quadrinhos (tá meio parada agora). Como você é fã deste autor, caso interesse, tem umas páginas deste trabalho no meu blog, é só procurar nos arquivos.
    http://eduardoschloesser.blogspot.com/
    Sucesso e tudo de bom.

    ResponderExcluir
  6. O desenho do inicio do post fiko show man, ai preciso fala kom vc, faz um banner pra mim?Alias ótimo post...esse cara é estranho demais. (tunikobm@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  7. Que bom, Pedrinho! Valews!

    Fala Victor! Pois é, aqui em Manaus tem milhões de locadoras, mas tenho que apelar pra net de qualquer jeito (como vivi minha infância sem ela??), pois é difícil achar algo que não seja blockbusters nas locadoras.

    Eduardo, obrigado por ter gostado. Infelizmente nao conheço essas HQs, vou correr atrás. Vai fundo na biografia. Vou dar uma olhada no seu blog.

    Fala Tunikin! Tank you pelo elogio! Faço sim seu banner, mais tarde mando-te um e-mail pra conversarmos mais sobre isso. Abs

    ResponderExcluir
  8. Oi Bruno!

    Caraca! Eu doro Edgar Allan Poe!!!
    Esse cara foi um gênio..e seu artigo..eu ri muito, como sempre!
    Assim como vc, eu adoro A Máscara da Morte Rubra o/ (que vc colocou como outro nome se não me engano). Fiquei surpresa com esse filme do John Cusak! Estou ansiosa para ver a nova adaptação de Never More! Never more!

    Porque o cosplayer que eu achei bonito tu achou que ficou cachorro???
    Olha eu também quero fazer um post dos piores cosplays....mas eu não quero sacanear nenhum pobre coitado kkkkk.
    bjs

    http://www.empadinhafrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Maninho, eu não li nada mas com certeza deve ser bom ! E o teu desenho tá legal !
    Te amo :*

    ResponderExcluir
  10. Oi Tsu! O filme baseado no conto A Máscara da Morte Rubra recebeu o título de A Máscara Mortal aqui no Brasil. Aliás, tb to bem curioso para ver Never More.Quanto ao cosplay, a fantasia ficou boa, mas o cara que é feio mesmo! kkkkk
    Bom, tb pretendo fazer um post com os piores cosplays, mas não prometo q não vou sacanear ninguém! hehue! bj

    Nenem, pq tu nao leu?tu tem preguiça de ler até na net??? Arf! Mas tá bom :) te amo tb.

    ResponderExcluir
  11. Olhaêêê, malz por ter demorado tanto para comentar, minha vida tá meio corrida.

    Allan Poe é um sujeito bem foda. Em matéria de horror (pra mim), reinam ele e Lovecraft em meu coração pequetuxo cheio de dragões abissais

    Agora, rapaz, deteeeesto o Roger Corman. Ele faz muita merda e um ou outro filme bacana. Sujeito mais irregular q o Elano na Seleção, porra.

    O filme q mais gostei dos q vi A Queda Da Casa Usher, mas, sinceramente, não me lembro de ter gostado de verdade de nenhuma adaptação dos contos do Poe para filme.

    E parece que The Raven não vai ser diferente: James Mcteigue é o porquento diretor de V de Vingança, Speed Racer, e Ninja Assassino, eu espero mais uma idéia promissora de roteiro estragada pelas mãos corruptas de um pela-saco dos Wachowsky.

    Fico com os contos.

    Parabéns pelo post. Matou a pau, véio.

    ResponderExcluir
  12. Fala Márcio! Valew pelos elogios! Pra mim tb reinam ele e o H.P. em matéria de literatura de horror.
    Bom, eu gosto do Corman. O négocio é não levar seus filmes (e nenhum outro baseado em Poe) tão à sério e não compará-los ao conto original, o que enfraquece muito as películas, que nunca conseguem capturar o horror dos contos.
    Hummm, não sabia q James Mcteigue era diretor desses filmes. Bom, eu gostei muito de V, odiei Speed Racer e Ninja Assassino eu não vi. Mas a idéia do roteiro, como vc disse, é ótima e continuo ansioso.
    Valews, man!

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...